diferenca-custo-de-producao-e-fluxo-de-caixa
Gestão Agrícola

Custo de Produção vs. Fluxo de Caixa: Qual a Diferença?

Quando o assunto é gestão agrícola, uma dúvida que é muito comum é a diferenciação entre Custo de Produção e Fluxo de Caixa. Apesar de poder parecer a mesma coisa, elas não são

Para uma apuração e gestão mais precisa, precisamos entender claramente suas diferenças e onde cada conceito se aplica. 

Um erro muito comum na gestão agrícola é acreditar que todos as suas despesas durante um ano agrícola, devem compor seu custo de produção.

Isso além de dificultar uma analise mais precisa, desfocando da realidade, também afeta nos resultados de um determinado período, seja um ano agrícola todo ou apenas uma safra. 

Para evitarmos isso, hoje vamos aprender a diferença entre Custo de Produção Agrícola e Fluxo de Caixa.

Antes de partimos para alguns exemplos práticos, é necessário esclarecer os dois conceitos. Então vamos lá:

Fluxo de Caixa

Em resumo, fluxo de caixa é entrada e saída de dinheiro no caixa da fazenda, ou seja, é tudo que você recebe e paga em sua propriedade em um determinado período. Independente da origem da despesa ou onde ela será utilizada. 

         Quer aprender mais sobre fluxo de caixa e qual sua importância numa gestão agrícola?  Veja aqui: Por que acompanhar o fluxo de caixa é crucial para o sucesso do ano agrícola?.

Custo de Produção

Em resumo, são os gastos que a fazenda teve em um determinado período e que estão ligados diretos ou indiretamente a produção de bens ou serviços, ou seja, tudo que você gastou para produzir naquela safra.  

Isso pode entrar: gastos com matéria prima, insumos, mão de obra e gastos com maquinários, por exemplo.

Exemplos

Para uma maior compreensão da diferença entre os dois conceitos, vamos analisar dois exemplos práticos:

Exemplo 1: 
“Pedro comprou R$ 100.000 (cem mil reais) em Adubos para utilizar na safra de 19/20, com data para pagamento em 08 Dezembro de 2020.
Durante o decorrer da safra, Pedro percebe que não vai utilizar todo o Adubo comprado, que apenas aproximadamente R$ 80.000 (oitenta mil reais) dos R$ 100.000 (cem mil reais) foram utilizados de fato.  Os outros R$ 20.000 (vinte mil reais) estão no estoque. “ 
Quando Pedro for fazer o fechamento da safra, verá que tem uma despesa de R$ 100.000 (cem mil reais) para Dezembro (fluxo de caixa), independente do quanto realmente foi utilizado, e verá que no custo de produção, apenas R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) estarão atribuídos.
Isso acontece porque o restante, os R$ 20.000, não foram utilizado para fins de produção, eles estão guardados em estoque e poderão ser utilizados na próxima safra, reduzindo a necessidade de compra.

Exemplo 2: 
“Luiz realizou a compra de uma camionete no valor de R$ 150.000 (cento e cinquenta mil reais), que serão pagos em 5 vezes, durante 5 anos a frente.” 
Já neste exemplo, a primeira pergunta que temos que fazer é: Esta despesas vão ser utilizadas para fins de produção de um bem (saca, toneladas, Kg) ou serviço, de forma direta ou indireta?  

Por mais que a camionete possa ser utilizada para lida no campo, ela não é um recurso para a produção. Com isso, as parcelas de sua compra não podem compor o custo de produção. 
Custo de produção é um dos aspectos que impactam no sucesso de uma fazenda. Se quiser saber um pouco mais, recomendo a leitura “A gestão de custos no agronegócio

Como definir quais despesas entram no custo de produção? 

Apesar de existir algumas metodologias de gestão e método de apuração de Custos de Produção, essa resposta pode variar de acordo com o entendimento do Gestor. 

Em comum experiência, recomendo que para fins de custo de produção, o gestor envolva os seguintes gastos: 

  • Gastos para administrar a(s) propriedade(s): também conhecidos como “Despesas administrativas” 
  • Gastos necessários para vender  os produtos produzidos: também conhecidos com “Despesas comerciais” 
  • Gastos financiar a operação: também conhecidos como “Despesas operacionais” 

Esses gastos contribuem para a manutenção e a produção de produtos ou serviço.

Por onde começar?

O primeiro passo para iniciar, é controlar todas as suas despesas e receitas, ou seja, montando seu fluxo de caixa.  

Após ter todas as informações em mãos e de fácil acesso, você deverá definir quais centros de custos (grupos de despesas) irão compor seu Custo de Produção.

Você pode usar o paragrafo anterior como um ponto de partida para definir o que vai compor seu custo de produção ou não. 

    Eu recomendo fortemente que você leia “Gestão Agrícola: Por onde devo começar?” para te orientar em como dar os primeiros passos de forma estruturada e eficiente, rumo a uma gestão agrícola de resultados.

Use a tecnologia a seu favor

Imagine você ter que fazer todos os controles financeiros de despesas e receitas, alocar a custo, analisar resultados, retorno, etc.. sem o uso de uma tecnologia para te auxiliar?

Você, além de correr o risco de não conseguir fechar o relatório com clareza, perderá muito tempo com algo que pode e deve ser otimizado. 

Existem várias ferramentas de gestão financeiras disponíveis. Escolha a que mais lhe atender e aplique-a no seu negócio.

Este será, sem dúvida alguma, o seu melhor investimento: Investir em uma solução que aumente o seu potencial de resultado. 

Tela retirada do módulo “Financeiro” da plataforma de Gestão Agrícola eAgro (eagro.ag)

Ter o controle de forma rápida e eficiente do sua fluxo de caixa, é o primeiro e mais importante passo para uma gestão agrícola com foco em resultados.

Um boa gestão à todos. 

Você também pode gostar...